Mel e Girassol

Ela não suportou olhar tanto tempo. Virou de costas, debruçou-se na janela, feito filme: Doris Day, casta porém ousada. Então ele veio por trás: Cary Grant, grandalhão porém mansinho. Tocou-a devagar no ombro nu moreno dourado sob o vestido decotado, e disse:
– Sabe, eu pensei tanto. Eu acho que.
Ela se voltou de repente. E disse:
– Eu também. Eu acho que.
Ficaram se olhando. Completamente dourados, olhos úmidos. Seria a brisa? Verão pleno solto lá fora.
Bem perto dela, ele perguntou:
– O quê?
Ela disse:
– Sim.
Puxou-o pela cintura, ainda mais perto.
Ele disse:
– Você parece mel.
Ela disse:
– E você, um girassol.
Estenderam as mãos um para o outro. No gesto exato de quem vai colher um fruto completamente maduro.

– Caio F. Abreu in “Os Dragões não conhecem o Paraíso”

Anúncios

6 comentários sobre “Mel e Girassol

  1. aaaa, e voce disse qu enao tinham trexos legais no livro 😛

    O qu eme lembra que, no caminho de volta para casa, existe um terreno sempre com a grama bem aparada. Outro dia parei do lado e vi uma ou duas dezenas de girassois, daqueles de 2 metrso de altura. Me surpriendi, mais por nunca ter notado.

    Nessa semana eles estavam lá ainda, mas secos, mortos, muito triste.

    Curtir

  2. que mistura perfeita!!!!!
    Amo girassóis!!!!
    Obrigada pela visita e que bom que me linkou!! Também vou te linkar, ok?
    Gostei do seu espaço.
    Volte sempre à minha humildacasinha..
    vai sempre encontrar um cafezinho fresco com pão de queijo srrs venha!!
    beijos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s