Já era amor

“Não me lembro mais qual foi nosso começo. Sei que não começamos pelo começo. Já era amor antes de ser.
Nosso discurso já possuía uma memória nostálgica e éramos perfeitos em nossos silêncios.
Dois ou três jantares e não sabíamos explicar como tínhamos vivido tanto tempo separados. Nosso espaço era temporal. Fragmentos do tempo e pedaços da vida entre taças de vinho e rodelas de pães que devoraríamos com a fome dos que amam.
As coisas a nossa volta pareciam estar sempre nascendo e todas as histórias pareciam ser iguais: sem princípio e sem fim. Antes de questionarmos todas essas coisas, antes das escolhas, do acaso, da aprendizagem… já estávamos lá, dentro do sonho.
E era confortável estar dentro do sonho com os dias futuros enfileirados a nossa volta.
Ele demonstrava gostar e ria um riso miúdo. A felicidade é assim miúda, cravada na retina dos olhos, feito jóia.
Nunca mais queria sair daquele planeta.
Nunca mais queria caminhar por ruas de pedras duras.”

Edgar Cézar Nolasco in “Claricianas”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s