No mundo da poesia

Mas, no mundo da poesia, as explicações científicas não valem.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– A Pipoca”

Feliz onde estamos

Pensamos porque não estamos felizes onde estamos.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– O Sermão das Àrvores”

Um pouquinho de dor

As pessoas totalmente felizes não conseguem pensar pensamentos interessantes. É preciso ter um pouquinho de dor para que o pensamento pense bonito.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Dor-de-Idéia”

Pensar

Ensinar a pensar é mais importante que pesquisar. É do desenvolvimento da capacidade de pensar que se forma um povo. Povo que não sabe pensar fica à mercê das mentiras.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– A aula e o seminário”

Mais competente com as palavras

A culinária me fascina. De vez em quando eu até me atrevo a cozinhar. Mas o fato é que sou mais competente com as palavras que com as panelas. Por isso tenho mais escrito sobre comidas que cozinhado.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– A Pipoca”

Magnólias

Era todo arborizado com magnólias. As flores das magnólias são quase insignificantes. Mas o perfume é maravilhoso. Quem respira o perfume de uma magnólia tem a alma tocada pelo divino.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Em defesa das árvores”

Escutatória

Sempre vejo anunciados cursos de oratória.
Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar. Ninguém quer aprender a ouvir.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Escutatória”

Filosofia

Diz o Alberto Caeiro que “não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma”.
Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Aí a gente que não é cego abre os olhos. Diante de nós, fora da cabeça, nos campos e matas, estão as árvores e as flores. Ver é colocar dentro da cabeça aquilo que existe fora. O cego não vê porque as janelas dele estão fechadas. O que está fora não consegue entrar. A gente não é cego. As árvores e as flores entram. Mas – coitadinhas delas – entram e caem num mar de idéias. São misturadas nas palavras da filosofia que mora em nós. Perdem a sua simplicidade de existir. Ficam outras coisas. Então, o que vemos não são as árvores e as flores. Para se ver é preciso que a cabeça esteja vazia.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Escutatória”

Criar é cura

Heine, poeta alemão, no seu poema A canção do Criador diz que Deus resolveu criar para se curar. “A doença foi a fonte do meu impulso criador”, diz Deus.
“Criando, convalesci, criando, fiquei sadio de novo.”

Rubem Alves in “Em nome do Avô, do Neto e da Brincadeira”

Fora das palavras

Levou tempo para que eu percebesse que quem presta muita atenção no que é dito não consegue escutar o essencial. O essencial se encontra fora das palavras.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Se eu fosse você”