Outro tipo de vazio

A casa dela tem outro tipo de vazio. Não é cheia de fantasmas. É silenciosa, com prateleiras repletas de porcelanas com estampa de rosas e sabonetes de rosas para lavar a tristeza. Mas estão sendo guardados para quando forem realmente necessários, acho.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

#BEDA06

Estar em perigo ou ser salva

— Sabe, docinho, existem duas coisas importantes no mundo: estar em perigo e ser salvo.

Pensei em May por um instante. E perguntei:

— Você acha que corremos perigo de propósito, para sermos salvos?

— Sim, às vezes. (…)

— Mas, se essas são as coisas importantes, onde se apaixonar se encaixa?

— Sabe por que se apaixonar é o que pode acontecer de mais profundo com uma pessoa? Porque quando estamos apaixonados, estamos totalmente em perigo e completamente salvos, os dois ao mesmo tempo.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Difícil acreditar

Pelo menos foi o que imaginei, porque sei que pode ser difícil acreditar que alguém te ama, se você tem medo ou não sabe exatamente quem é. Pode ser difícil acreditar que a pessoa não vai embora.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Ser alguém

Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Túnel de silêncio

Espero que um de vocês me ouça, porque o mundo parece um túnel de silêncio. Descobri que, às vezes, momentos marcam nosso corpo. Eles estão ali, alojados sob a pele como sementes pintadas de surpresa, tristeza ou medo. E se você virar para um lado ou cair, uma delas pode se soltar.

Pode se dissolver no sangue ou fazer surgir uma árvore inteira. Às vezes, quando uma se solta, todas começam a se soltar.

Sinto que estou me afogando em memórias. Tudo é claro demais.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Resolução

Minha resolução é que seja sempre assim, enquanto a gente viver. Vamos ficar velhos, mas minha resolução é que a gente nunca se venda. Que nunca fiquemos velhos demais para lembrar quem somos agora, juntos.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Nirvana

“Nirvana” significa liberdade. Liberdade do sofrimento. Acho que algumas pessoas diriam que a morte é exatamente isso. Então, parabéns por estar livre, acho. O resto de nós ainda está aqui, agarrado aos cacos.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Ninguém te conhece

É triste quando todo mundo sabe quem você é, mas ninguém te conhece. (…) Jim, quero que as pessoas me conheçam, mas, se alguém olhasse dentro de mim, se visse que sinto coisas que não deveria sentir, não sei o que aconteceria.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Como a chuva

A parte que diz “ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas” faz todo sentido para mim. Significa que ele pode ir a qualquer lugar, porque, como a chuva, como a água, chega a lugares em que nada sólido chegaria. Explica como Sky me atinge, como chega a pontos que eu nem sabia que existiam. Como ele toca uma parte de mim que ninguém nunca tocou. Nós dois temos lugares secretos em nós.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”

Transparentes

Querida Elizabeth Bishop,

A arte de perder não é nenhum mistério. Eu bem sei. Os dias parecem transparentes, como se eu andasse sob aquele sol fraco que  travessa uma barreira de nuvens bem fina. Luz vazia. Não pousa.

Ava Dellaira in “Cartas de Amor aos Mortos”