Música favorita

Ris-te sempre que dizes a palavra invisuais. O teu riso é a minha música favorita, Clara, mas não posso dizer-te isto, deixavas logo de rir.

Inês Pedrosa in “A Eternidade e o Desejo”

Anúncios

Graças pequenas

— Não sabes a Graça que há nas graças pequenas. Não sonhas como preciso dela.
— Dá-me a tua mão, e guarda nela agora o meu silêncio.

Inês Pedrosa in “A Eternidade e o Desejo”

Sobrou-me o que sou

Nos olhos dele aprendi a ler Vieira, como no seu corpo aprendi a saborear o desejo infinito, o desejo como experiência da eternidade.
Para essa experiência não tenho palavras. Nem sequer silêncio. Dessa experiência, sobrou-me o que sou.

Inês Pedrosa in “A Eternidade e o Desejo”

Caleidoscópios

As palavras são caleidoscópios onde as coisas se transformam noutras coisas. As palavras não têm cor — por isso permanecem quando as cores desmaiam.

Inês Pedrosa in “A Eternidade e o Desejo”

Restos de ti

E nunca te teria conhecido. E seria outro – quantos restos de ti fazem parte de mim.

Inês Pedrosa in “Fazes-me Falta”

Carne da minha carne

Mas até aquilo a que eu mais resistia em ti se tornou carne da minha carne. Adotei-te amores e ódios. Era teu amigo. Nunca me cansei de ti; cansei-me apenas do teu cansaço de ti mesma.

Inês Pedrosa in “Fazes-me Falta”

Abusei de ti

Porque também eu abusei de ti, tanto. Das tuas ideias, da tua história, do efeito que a minha juventude exercia sobre a tua melancolia.
(…) No entanto tu amaste-me ainda mais quando te tomei e comi a alma, quando te neguei para melhor me afirmar.

Inês Pedrosa in “Fazes-me Falta”

Não se cura

A solidão contagia-se, é uma doença. E depois não se cura.

Inês Pedrosa in “Fazes-me Falta”

Longe de mim

Olho-te ainda na esperança de descobrir, à distância definitiva de tudo quanto fui, a raiz desse vento que te levou para tão longe de mim.

Inês Pedrosa in “Fazes-me Falta”