Jornada

“A vida é uma jornada. Quantos ciclos de vida temos esperado pela oportunidade de aproveitar essa jornada?
A vida é curta, e todos nós temos que ir um dia. Nós poderíamos ser um pouco mais ousados.
Apaixonar- se, escalar uma montanha, perseguir um sonho. Sim, não faz mal ser um pouco mais ousado.
Há muitas perguntas que eu não entendo, há muitas perguntas que eu não posso responder, mas eu acredito que o céu nos deu a vida para nós criarmos milagres.”

– Peixe Grande e Begônia (filme)

Anúncios

Um simples olhar

“O brilho que viu nos olhos de Seyit não era diferente do que havia nos seus próprios. Talvez nunca voltassem a se encontrar, mas ela havia se tornado sua prisioneira, uma prisioneira para toda a vida e tudo por causa de um simples olhar. Shura estremeceu. Alguma coisa lhe dizia que estava perdidamente apaixonada e que essa paixão lhe traria muito sofrimento.”

Nermin Bezmen in “Kurt Seyit & Shura”

Tristeza necessária

Mas a tristeza é necessária à vida, acudiu D. Tomásia, que abrira os olhos logo à entrada do marido. As dores alheias fazem lembrar as próprias, e são um corretivo da alegria, cujo excesso pode engendrar o orgulho.”

Machado de Assis in “Helena”

Eles tinham

Piet adormeceu com a Bíblia no rosto.
Africanos disseram:
“Quando os europeus vieram, eles tinham a Bíblia e nós tínhamos a terra.
Agora, nós temos a Bíblia e eles possuem nossa terra.”

No museu do Apartheid, África do Sul.
(tradução livre, minha)

Longevidade

“-Vocês, jovens tratam a vida como se houvesse pedras no caminho. Enquanto nós velhos tentamos de tudo para viver mais um dia.
-Sem felicidade, qual o sentido da longevidade?”

– Peixe Grande e Begônia (filme)

Lugar bonito

Na minha memória – já tão congestionada – e no meu coração – tão cheio de marcas e poços – você ocupa um dos lugares mais bonitos.

– Caio F. Abreu

Trecho da carta extraída do livro “O que importa em Oracy”,
organizado por Fátima Friedriczewski,

Há um pai

Há um pai na lembrancinha
que o filho trouxe da escola
no carrinho, numa bola
que ele deu pelo natal
há um pai lendo um jornal
assistindo televisão
há um pai lá no sertão
alimentando a “criação”
que ficou, lá no curral

Há um pai puxando a orelha
há um pai embalando nos braços
pai que faz o tipo palhaço
pai severo, ditador
pai que chamamos de senhor
pai que chamamos de “velho”
há um pai que dá conselhos
pai que protege e ampara
um pai que grita na cara
há um pai que ensina com vara
um pai que ensina com amor

Há um pai que já nem lembra
o tamanho da sua prole
há um pai que gosta de uns goles
de um cigarrinho de páia
há um pai que corre na praia
e faz o estilo cinquentão
pai que banca o machão
há um pai de mãos calejadas
pai de face enrugada
pai que de pai não tem nada
há um pai que não foge da raia

Há um pai que deixou saudades
lembranças que nos marcaram
e há os pais que nos deixaram
e nem lembramos do nome
há um pai que passou fome
pra poder dar o estudo
e o filho depois de tudo
essa confiança trai
pai que do coraçâo não sai
e há uma mãe que foi pai
porque um pai não foi homem

( Desconheço a autoria)

Querer-te tanto

Eu não queria querer-te tanto, Clara. Repito que não quero querer-te e já te quero mais quando acabo de o repetir. O esporão da infelicidade acirra este meu querer-, talvez eu saiba que não tenho o direito a ter o que quero, talvez seja essa a minha forma de me punir.

Inês Pedrosa in “A Eternidade e o Desejo”

Minha terra natal

“Você ainda o ama, não é? — Amo? Eu não sei… Há muito tempo não me lembro quais os limites do amor. Ele representa tudo e todos que um dia eu amei. Quando olho para Seyit, eu vejo Kislovodsk e pinheiros nevados, ouço os cascos dos cavalos das trikas e os sinos da igreja. Isso é muito mais que amor. É como se eu precisasse dele para respirar, Alain; eu não espero que você compreenda. Ele é a imagem viva da minha terra natal, para onde nunca mais poderei retornar. Mesmo se nunca mais encontrá-lo, só de saber que ele vive e respira na mesma cidade que eu, nos mesmos lugares, já é suficiente para mim, acredite. Ele é a minha Rússia em Istambul.”

Nermin Bezmen in “Kurt Seyit & Shura”

Agora sei que tenho coração

Você quer um coração? Você não sabe o quão sortudo és por não ter um. Corações nunca serão práticos enquanto não forem feitos para não se partirem.
[…]
Agora eu sei que tenho um coração, porque ele está partido.

O Mágico de Oz
(filme)